Fitoterapia e Homeopatia: entenda as diferenças

A sociedade de hoje é dominada pela medicina ocidental, a chamada medicina alopática. Esse tipo de tratamento utiliza materiais industrializados, diferentemente da medicina alternativa. No entanto, produtos industrializados são cada vez mais associados a procedimentos agressivos e tóxicos. Desse modo, o interesse por terapias alternativas e naturais tem crescido relativamente.

A fitoterapia e a homeopatia, por exemplo, são tipos de terapias alternativas a alopática. A fitoterapia produz seu medicamento somente à base de plantas, já a homeopatia utiliza elementos de origem animal e mineral. Apesar de ambas as terapias buscarem uma cura de forma natural, existem diferenças quanto a forma de diagnosticar e na produção dos medicamentos.

Saiba mais sobre as diferenças entre a fitoterapia e homeopatia nesse post. Boa leitura!

Homeopatia

Histórico

A homeopatia foi desenvolvida pelo médico alemão Samuel Hahnemann em 1796. Samuel estudava um método que pudesse curar as doenças pelos seus semelhantes, ou seja, por substâncias que causavam os mesmos sintomas que a doença estudada. Assim, o princípio da homeopatia foi criado: “Similia similibus curantur’’ que significa ‘’o semelhante por seu semelhante se cura.’’

Como é feito o diagnóstico?

De acordo com a homeopatia, nenhum paciente possui somente uma doença, e sim um desequilíbrio do corpo como um todo. Assim, a função do médico homeopata não é tratar apenas sintomas específicos, mas dar atenção às queixas emocionais assim como aos sintomas de doenças.

Para a homeopatia, tudo está interligado. Assim, durante a consulta, o homeopata pergunta a seus pacientes aspectos pessoais de suas vidas, por exemplo, como é a relação com os familiares e como é o ambiente de trabalho. Além disso, o médico leva em consideração todos os sintomas e reclamações do paciente, mesmo que esses não sejam interligados.

Na medicina convencional, se uma pessoa tem dor de estômago, ela vai a um gastroenterologista para descobrir o que está a incomodando. No entanto, o médico ocidental vai tratar somente a dor de estômago, e não uma dor de cabeça que também incomoda o paciente, por exemplo. Já o homeopata aborda o organismo como um todo e vai tratar concomitantemente a dor de estômago e de cabeça, ou melhor, vai descobrir a origem dessa dor de estômago, que não necessariamente tem uma origem no sistema gastrointestinal.

Como o medicamento homeopático é produzido?

Os compostos são extraídos de substâncias minerais, vegetais e animais. O medicamento precisa ser diluído diversas vezes e passar por um processo de sucussão (agitação contínua e específica) para ser considerado homeopático. Além de estimular o sistema imune a combater as doenças, esses compostos vão restaurar o equilíbrio energético do paciente. Desse modo é possível desenvolver um plano de tratamento personalizado que aborde todos os desequilíbrios e doenças de um paciente em um só remédio.

Como ele age no organismo?

Cada medicamento homeopático é feito de forma personalizada, ou seja, com diferentes compostos e dosagens para cada paciente. O objetivo é provocar uma série de sintomas, sejam eles físicos ou mentais, semelhantes aos sintomas que o paciente doente experimenta. No entanto, isso é feito em pequenas dosagens, visto que os remédios homeopáticos têm seus componentes diluídos diversas vezes.

Dessa forma, é possível tratar diversas doenças com elementos naturais, minimizando os efeitos colaterais e a toxicidade do tratamento.

Fitoterapia

Histórico

Não se sabe ao certo quando a fitoterapia surgiu, porém é possível determinar que o uso de plantas medicinais foi o primeiro recurso terapêutico utilizado na história da humanidade. Diversas antigas civilizações, como os egípcios e chineses, já possuíam anotações e conhecimentos sobre plantas medicinais e suas indicações terapêuticas.

No entanto, no século XIX, houve um grande progresso na área de análise química. Desse modo, foi possível isolar, identificar e catalogar os diversos princípios ativos das plantas medicinais, o que permitiu o avanço da fitoterapia.

Como é feita a indicação?

Atualmente, os fitoterápicos são uma alternativa de terapia para pessoas que desejam não utilizar drogas sintéticas. Além disso, muitos especialistas apontam que o uso desses medicamentos pode ser muito benéfico para tratar doenças cujo tratamento com alopáticos pode causar dependência e efeitos colaterais, como a ansiedade e a depressão.

Dessa forma, é interessante conversar com seu médico e discutir as possíveis opções de tratamento. Apesar de naturais, os medicamentos fitoterápicos podem causar reações quando misturados a outros compostos. Essa informação é válida principalmente para pessoas que vão passar por cirurgia ou consomem medicamentos controlados. Outra dica importante é ficar atento ao rótulo dos produtos fitoterápicos na farmácia. Para que um produto fitoterápico seja seguro e eficaz, ele deve ser reconhecido pela Anvisa.

Como o medicamento é produzido?

Os remédios fitoterápicos são feitos essencialmente de plantas, sem incluir compostos animais ou minerais. As plantas medicinais são plantas com princípios ativos com a capacidade de curar ou aliviar doenças e sintomas que causam desconforto nos pacientes. No entanto, para usá-las corretamente, é preciso conhecer a planta e saber como prepará-la. Na fitoterapia, a planta passa por um processo de industrialização que isola o seu princípio ativo, além de retirar substâncias estranhas, agrotóxicos ou outros componentes que podem fazer mal a saúde do paciente.

Por esse motivo usar plantas medicinais de forma caseira, como em chás e infusões, pode ter riscos. Plantas usadas naturalmente contêm o princípio ativo e outra substâncias que podem ser tóxicas ou induzir reações alérgicas. Desse modo, é extremamente importante que as plantas passem pelo processo de refinamento da Fitoterapia para serem consumidas com segurança.

Os medicamentos fitoterápicos podem ser manipulados ou encontrados em farmácias especializadas em produtos naturais. Também é bom saber que alguns remédios fitoterápicos só podem ser comprados com receita médica. As receitas e recomendações podem ser feitas por qualquer médico que tenha experiência com os princípios ativos e produtos fitoterápicos.

Como ele age no organismo?

Diferentemente da homeopatia, que tem como princípio usar compostos semelhantes aos sinais do paciente, a fitoterapia busca substâncias que agem de forma contrária aos sintomas que o organismo apresenta. Ou seja, o objetivo dos medicamentos fitoterápicos é suprimir os sintomas das doenças, agindo contra eles.

É importante ressaltar que os remédios fitoterápicos não possuem eficácia maior ou menor que os alopáticos. A diferença é que os medicamentos sintéticos apresentam uma maior concentração de princípio ativo, o que pode causar mais efeitos adversos e sintomas de toxicidade.

Gostou de saber mais sobre as diferenças entre a fitoterapia e homeopatia? Assine a nossa newsletter e receba as novidades sobre esse e mais assuntos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This